Pode tocar na obra

A ideia de digital pode ser atrelada aos grandes eventos de inovação, tanto tecnológicos quanto sociais, comportamentais e por aí vai. Tudo que conhecemos pela natureza de suas formas, peso e lugar vem se configurando para uma existência menos palpável, em um processo de reorganização de suas “funções” e presença em nosso cotidiano. Já falamos sobre isso no post Entre triângulos e planos há algum tempo, porém retomar o assunto hoje é, de alguma forma, relembrar onde estávamos naquele momento e onde estamos agora: com novas questões sobre lugar e tempo. Esse tempo que construímos ao mesmo tempo em que vivemos.

Começo esse texto considerando alguns pontos, e acredito que você já tenha se deparado com essas questões ou escutado por aí algumas indagações neste sentido, mas de toda forma, tento, mesmo que sutilmente, encostar no último fio da meada e retomar a discussão sobre o que está acontecendo com os meios de produção de conteúdo. Digo conteúdo como algo não restritamente escrito, mas todas as cifras que o tempo exapta para contar sua história.

É evidente que os filmes, fotos, teatros, músicas e livros não são mais os mesmos. Talvez, nós também não sejamos mais como antes, talvez a forma que processamos o conteúdo tenha alterado em sua formação genética para algo híbrido, trans, que solicita novas fronteiras do existir. Dessa maneira, a reflexão que pede uma observação honesta dos nossos atos pode dar dicas do que está acontecendo com a natureza dos objetos que nos cercam. Como, por exemplo, o ingresso do cinema ou a música nos celulares.

Um outro exemplo dessa reconfiguração é a produção de filmes que vão além das críticas construídas. Para os novos filmes que se propõem a investigar a maneira de narrar não-histórias que não sejam mais interpretadas por atores, mas sim a construção de obras, vetores particulares únicos que utilizam dos suportes convencionais para deslocar seus atos em busca de outras consequências. Outro ponto de vista pode ser o uso dos livros digitais, que estão inaugurando outros lugares do imaginativo. Onde os recursos, que a cada dia abrem espaço para novas APIs, alteram como mutações a sua construção literária. Não mais desejamos estar nos mesmos lugares cognitivos do passado, é possível explorar novos campos da imaginação, é possível pensar algo que jamais pensaríamos antes na relação com o conteúdo. O poder dessa forma de pensar é de tal proporção que nos permite repensar em como construir outras formas de existência ao defender ideias e apresentar pontos, transitando por configurações e funções objetivas e subjetivas do conhecimento. Nada mais do que a convergência de texto, som, imagem, vídeo e toque em sua forma ampliada de existir.

O desbravar de outros espaços também implica em novas responsabilidades e novos saberes, mas mais do que isso, representa o reconhecer nossa trajetória não linear na construção de nós mesmos. Assim, abre um discurso sobre tecnologias digitais e seus recursos, e também a capacidade “horizontalizante” que temos em mãos. Talvez o exercício de construírmos esse lugar seja o mesmo de olharmos nosso entorno em busca de respostas que nos potencializem em mais propostas e consciências do devir.

 


 

Foto: Diego Mere; Obra da série Transparentes Brancos de Christiano Mere

 

Entre triângulos e planos

Traduzir as ideias para um texto, que logo de cara tem o compromisso com esse pensamento do Hans Hoffmann, que tanto admiro, nos coloca na obrigação de escolhermos as palavras com tanto cuidado que só é possível com as pontas dos dedos em pequenos gestos circulares em busca da textura certa.

Foi assim que desenvolvi minha resposta ao aceitar o convite do Lui Azevedo para participar do segundo dia do projeto Triângulo. O desafio era montar uma palestra e compor um debate sobre o tema interface, e junto com Marlus Araujo e Pedro Segreto formávamos o triângulo da noite. O objetivo maior era apresentar discussões sobre o passado, o presente e, principalmente, o futuro das interfaces, uma oportunidade perfeita para compartilhar alguns insights que venho amadurecendo aos poucos. Gosto de pensar na relação entre o movimento abstrato das artes plásticas, em particular o Expressionismo abstrato, e as novas interfaces com a pluralização de gadgets e novos formatos, como o livro digital.

Ao olhar para esses acontecimentos, pude notar que o mesmo movimento que deu origem as abstrações, mesmo que de forma simplificada, se repetem nos dias de hoje nas interfaces dos usuários e nos canvas dos projetistas. Tentarei situar esse papo no descompromisso conquistado de representar a realidade. Para exemplificar de forma grosseira: seria algo como quando a fotografia assumiu a responsabilidade de representar o real pelo seu efeito instantâneo de captura de um frame, que, consequentemente, proporcionou aos pincéis a “liberdade subjetiva” que existe por detrás das ideias. Um grande exemplo desse movimento são os touros do Picasso, uma série de desenhos feitos ao longo de seus anos. Picasso se auto retratava como sendo um minotauro e essas garatujas ganham forma simplificada no início e vão se complexificando a medida que o próprio consegue se perceber, o que traduz nessa assinatura as minúcias da sua percepção. Na medida que o tempo cumpre o seu papel, a sabedoria somada a experiência faz com que gradativamente o desenho se liberte da realidade e encontre a simplicidade, e a cada nova tentativa só o necessário floresce entre as linhas. Quando juntos, todos esses desenhos, fica claro que o último é infinitamente mais simples que o primeiro, porém infinitamente mais rico.

Não existe arte abstrata. Sempre se deve começar com algo para depois remover todos os traços da realidade. E assim, a ideia do objeto terá deixado uma marca indestrutível – Pablo Picasso

Na sequência das garatujas, o que mais chama a atenção é a forma como o último desenho não está mais impregnado com a realidade. Ele simplesmente abstrai o resto pictórico que existia do touro, porém a essência ainda está lá, formando a assinatura do próprio Picasso e se configurando como sujeito sem forma, que mesmo assim ainda é o touro.

Sendo interface o lugar onde essa conversa deve se manter, volto a olhar para as pinturas do Action Painting. E dessa vez, com um olhar mais amplo sobre a pintura abstrata. Todos sabemos e percebemos que mesmo não havendo uma forma definida, cada gesto escolhido pelo pintor nos leva a uma reação. Vamos de obras pálidas, com pouca intonação e que requerem mais tempo de observação para se ter uma reação, e também de obras mais fortes, que mal cabem em nossos olhos. Esta segunda nos leva a respostas instantâneas e muitas vezes intuitivas. Toda essa teoria, se transportada para as interfaces, se desenvolvem com a naturalidade de um cursor ou um scroll. Pego um exemplo aleatório, o ícone composto por uma nuvem e uma seta para cima ou para baixo, “enviar um arquivo” ou “receber um arquivo”o nível de pictoriedade desse desenho está quase abstraído, porém o entendimento é lógico e claro. Mas olhe novamente, nuvem somada a uma indicação de sentido/direção não representa muito, ou quase nada, no mundo físico.

Assim é a forma como costumo pensar ao me deparar com um novo projeto de interface, principalmente falando de livro digital – que de livro só possui a essência. Se cortarmos o desnecessário, abre-se aí muito espaço para o novo. Por aqui, costumo falar que não mais preciso de uma lixeira com cara de lixeira para que eu descubra onde devo “jogar” meu lixo.

Essa é a maior provocação que encontro escondida no cerne de um novo projeto e de uma nova ideia, é a partir dessa intuição que construímos as interações com os usuários, leitores ou qualquer maneira que queira descrevê-los. Mas saiba que, no final das contas, tudo está interligado e cada escolha, cada minúcia, sugere uma reação. O caminho das possibilidades está a cada dia mais plural, ou seja, um castelo infinito de oportunidades inusitadas, basta apenas ter coragem de escolher o caminho e conseguir se justificar nele.

Foi assim que conclui minha participação no Triângulo, tentando olhar para as mesmas coisas que vemos todos os dias com o desejo de encontrar novos caminhos para discutir sobre as fronteiras dos rótulos que impomos a nós mesmos.

Clique aqui para fechar Fechar

Se preferir, pode nos ligar ou enviar um email. Saiba como fazer isso na página de contato.