GabaritoReverbe

Um dia de caos

Movimentar-se enquanto criativo é transitar nas maiores distâncias entre dois corpos, é empregar energia em descobertas e estar conectado com o que se faz isento de grandes objetivos, mas construindo gradativamente percepções e diálogos com o fazer seguinte.

Uma rede. É dessa forma que acredito que as ideias e palpites povoam nossa consciência, construindo e transitando entre redes. Difícil saber se esse é realmente um comportamento dos dias de hoje ou se já somos assim desde o início. Recordo quando criança, sem muito o que me preocupar a não ser inventar brincadeiras, que as ideias eram quase uma linha, fato após fato. Claro que sempre me levavam a lugares desconhecidos, lugares de descobertas, mas tudo fazia parte da diversão. Olhar hoje para aquela época faz parecer óbvio não saber o fim da história.

Ter hoje consciência do objetivo, faz transitar pelos palpites, chamo de palpites os fragmentos incipientes das ideias de forma não linear e ansiosa. Não saber mais onde estão os espaços que o acaso pode agir faz tudo ficar mais confuso; a sensação de caos aponta para um fim não de projeto, mas de energia de agir. A sensação do nada é mais forte do que o movimento, esvazia onde deveria encher, e assim constrói, consequentemente, paradigmas que impedem nossos movimentos.

Movimentar-se enquanto criativo é transitar nas maiores distâncias entre dois corpos, é empregar energia em descobertas e estar conectado com o que se faz isento de grandes objetivos, mas construindo gradativamente percepções e diálogos com o fazer seguinte. Essas ideias foram construídas no grupo de estudos do dia 12 de setembro. Nesta imersão, buscávamos discutir sobre o Caos e o Acaso, perceber seus movimentos e ganhos ao ouvir relatos sobre a ação do caos no cotidiano.

O caos é imanente ao nosso pensar

Diferente do que fizemos nos últimos 2 encontros, esse teve uma particularidade: as cadeiras que sobravam (uma ou duas, mas sobravam) cederam espaço para os sofás e poltronas; haviam menos lugares, mas tudo foi proposital. Construimos também uma divisão muito clara entre o lugar de ouvir e o lugar de falar, e, assim como criança investindo nas brincadeiras, começamos a nossa troca de ideias. A  medida que falávamos, mais pessoas iam chegando e os lugares acabando; até que o inevitável aconteceu. Abrimos espaço para o acaso agir: os atrasados que chegavam se deparavam com uma sala confortavelmente cheia, e cada novo corpo no espaço agia com certo desconforto sobre os outros que não sabiam o que fazer, já que no fundo estavam uma pilha de cadeira. Por algumas vezes o problema de espaço foi solucionado pelo chão, que aos poucos se tornou assento e roda. O clima ficava cada vez mais informal, até que o chão não comportava mais e no desconforto do outro, sem saber onde se acolher, e também por perceber que ali existia algo de valor que todos deveriam ouvir, o caos aconteceu e a troca de ideias foi interrompida por um dos ouvintes: “licença, mas precisamos colocar aquelas cadeira aqui! Acho que vai ficar mais confortável para eles”.

Nesse momento todos se moveram. Um grande estímulo gerou reações inesperadas e, mesmo sendo uma reação comum, do estilo típico do dia a dia, todos perceberam que aquilo estava conversando com eles de alguma maneira, que o tema do dia fazia mais sentido do que antes. E nessa hora o comentário sobre estar com um olhar atento foi inevitável. Perceber as minúcias das coisas que nos cercam faz do jargão “o acaso só favorece as mentes preparadas” pertinente.

Logo em seguida, com todos já em seus lugares e com as antenas ligadas, o segundo ato foi uma inversão de papeis. O lugar que antes era de quem aprensentava ficou vazio deixando espaço para quem quisesse falar sobre qualquer assunto, afinal o tema era acaso, caos e também sobre etapas incipientes de estruturas úteis. No início, a timidez foi mais forte e a troca de olhares em tal vazio intensa. Era fácil perceber que mesmo o nada pode ser muito rico em expectativa e em propostas, pois, nesse tempo que precede o ato, as ideias fervilham com grande intensidade. O silencio não se manteve assim por muito tempo, tivemos uma das trocas mais inesperadas que poderíamos desejar. Foram tantas coisas que mal posso replicar, mas que tenho certeza que estou ganhando corpo em meus pensamentos.

Um bom tempo para não parar

Como de costume, o café do Blueberry estava presente e fez a diferença. Dessa vez o café que costuma agitar a galera conseguiu centrar e aliviar a pressão. Quem veio participar do encontro foi a Cat (Catarina Bijalba), que junto com a feitura de  café, mergulha no mestrado em biologia. Nada mais pertinente ter entre nós uma dessas pessoas que, de fato, representa a pluralidade de todos. Porém, naquele momento foi quase icônico ouvir as particularidade de um café que despertava o assuntos. Cat conseguiu a atenção de todos ao falar das particularidades da plantação, e sobre como foi importante a curiosidade de um pastor ao perceber que suas ovelhas, após comerem certo tipos de frutas, ficavam enérgicas e saltitantes. Nada mais pertinente para uma história de acaso que perceber no café o fruto desse acaso. E, como era previsto, esta foi a hora em que o papo e as trocas fluíram intensamente.

Seguindo o evento, a terceira parte foi um convite ao sonho quântico com o neurologista Messias Reis, que falou quase abstratamente sobre a relação de evoluir e a que ponto que conseguimos sonhar, e que nesse sonho consciente estão algumas das leis da física quântica capazes de nos levar a um segundo momento da evolução. Quando disse “em um sonho somos nós e somos o outro, somos as cadeiras, nuvens, tudo ao mesmo tempo”, fez pensar que somos nós mesmos e somos o caos que controlamos e não controlamos nessa realidade. Elevou a percepção de que mesmo em nós existem partes naturais do acaso e que, se tivermos consciência disso, seremos mais eficientes em controlar ansiedades e nos manter como potências de agir.

A próxima imersão será no dia 03 de outubro e, dessa vez, os super poderes do designer Walter Mattos e seus grides vão compor um dia que falaremos sobre restrições.

3-02 3-03 3-07 3-06 3-05 3-04 3-08 3-09 3-10 3-11 3-13 3-143-013-15 3-16 3-17

Categorias

Autores

  • Laura Yunes

    O próximo encontro está chegando!

  • SERGIO

    Pôxa, acho que foi ontem, Foi?? Pena!!!
    Acho que vocês poderiam mandar um lembrete na semana, fica a dica!!!
    Abraço

    • Christiano Mere

      pode deixar!

Clique aqui para fechar Fechar

Se preferir, pode nos ligar ou enviar um email. Saiba como fazer isso na página de contato.